Derechos Humanos

ASESINATO DE INDÍGENA Y DETENCIÓN DE SINDICALISTA ATENTAN CONTRA DIÁLOGOS DE PAZ
17/04/2015
Por: Resumen

Colombia asesinatos

Resumen Latinoamericano/Colombia Informa, 13 de abril de 2015 - El joven de 19 años Siberston Guillermo Pavi Ramos fue asesinado el viernes 10 de abril por un disparo de arma de fuego en el marco de la represión del Escuadrón Móvil Anti Disturbios -Esmad- al “movimiento de liberación de la madre tierra” en el norte del Cauca; Fernando Salazar Calvo era integrante del movimiento indígena de Caldas, y fue asesinado el pasado miércoles 8 por dos sicarios después de recibir amenazas. El trabajador e integrante de la Unión Sindical Obrera -USO- Felix Alberto Thomas Rueda fue detenido hoy sábado 11 de abril en horas de la mañana por su actividad sindical en Barrancabermeja. Los discursos oficiales de paz van por una senda mientras en las comunidades continúa vigente la violencia estatal, empresarial y paraestatal contra el movimiento social. La posición de la Cumbre Agraria y las advertencias de la insurgencia.
“La Fuerza Militar nos dice guerrilleros, terroristas e invasores”
Desde la Asociación de Cabildos Indígenas del Norte de Cauca -ACIN- denunciaron que el asesinato del joven Pavi Ramos se produjo por impacto de bala “que se disparó desde el lugar en que se encontraba la Fuerza Pública, según informó el Consejero Mayo de esa entidad, Héctor Fabio Dicué Rengifo, al ser  consultado por Colombia Informa.
La entidad denunció que además de este crimen, hasta el momento son 45 heridos de los cuales 23 han sido de carácter grave. “La policía y el ejército están entrando de civil; lo que se logró notar es que sale una tanqueta, dispara cantidad de gases, ellos tienen una trinchera dentro de la finca La Emperatriz de dentro de la trinchera disparan”, señaló la ACIN en un comunicado dado a conocer después del asesinato del joven que provenía del resguardo de López Adentro y se encontraba participando de acciones de recuperación de tierra en la hacienda La Emperatriz, en cumplimiento de los mandatos surgidos de las comunidades indígenas. En días pasados el Esmad había ocupado las instalaciones del Centro Cultural Caucaquira ubicado en el mismo municipio lo que provocó el rechazo de habitantes del sector.
“A los comuneros que estamos dentro del proceso de la Liberación de la Madre Tierra, la Fuerza Militar nos dice que guerrilleros, terroristas e invasores”, explican los indígenas de la región.
En Caldas, asesinado dirigente minero e indígena
Fernando Salazar Calvo tenía 52 años, era presidente de la Asociación de Mineros de La Unión y líder a de la Asociación de Mineros del Resguardo Indígena de Cañamomo Lomaprieta y Riosucio -Asomicar-. Había sido amenazado por su activismo social y el miércoles 8, en horas de la noche, dos sicarios dispararon sobre él causando su muerte.
Las autoridades del resguardo indígena de Cañamomo Lomaprieta exigieron al presidente de la República Juan Manuel Santos que “ordene una investigación contundente, veraz y oportuna para dar con el paradero de los actores materiales e intelectuales de este hecho violento, que se suma a la larga lista de muerte de líderes indígenas y defensores de los derechos colectivos de nuestra comunidad”.
Las comunidades indígenas, cabildantes y líderes sociales de Caldas denunciaron la indiferencia de las autoridades ante las amenazas que preceden a estos crímenes. “Hemos denunciado ante fiscalía y demás entes, las amenazas de las que hemos sido víctimas y han sido desestimados y desestimados por los órganos de control del Estado”, afirman.
Petroleros “contra la masacre laboral”
La Unión Sindical Obrera -USO-, que agremia a los trabajadores de la industria del petróleo de todo el país, denunciaron que hoy sábado 11 de abril “acaba de ser detenido nuestro compañero Félix Alberto Thomas Rueda, quien se encontraba protestando en defensa de los derechos laborales y las libertades de cientos de trabajadores de esta empresa y contra la masacre laboral”. Thomas Rueda es un trabajador de la empresa Weatherford en Barrancabermeja. Dicha compañía es una de las petroleras más grandes del mundo; fundada en 1940, ha establecido operaciones en más de 100 países y según su propia información cuenta con más de 54.000 empleados en el mundo. En Colombia se caracteriza por violar los derechos laborales en connivencia con las autoridades del Estado, como sucede con esta nueva denuncia de la USO.
Desde La Habana, las FARC ya habían alertado en enero pasado sobre el riesgo que estos hechos acarrean para el proceso de paz. Con motivo del asesinato del dirigente social Carlos Pedraza, esta insurgencia había dado una clara muestra de solidaridad y un fuerte alerta sobre la posibilidad de que esos tipos de hechos, como los que ahora se repiten, pongan en riesgo el cese al fuego. “Se nos está agotando la paciencia”, dijo en aquel entonces el líder guerrillero Pastor Alape.
“Vendrán momentos difíciles para el movimiento social”
El contexto represivo que evidencian estos hechos se superpone con las masivas movilizaciones en respaldo a los procesos de paz que le gobierno lleva a cabo con las Fuerzas a Armadas Revolucionarias de Colombia -FARC- en La Habana, y con el Ejército de Liberación Nacional -ELN- en su etapa preparatoria. La agenda del movimiento social en dichas movilizaciones fue más allá y expresó con claridad el pedido de “paz con justicia social”.
Marylén Serna, referente del Congreso de los Pueblos de Colombia y vocera de la Cumbre Agraria, Campesina, Étnica y Popular que agrupa a la mayoría del movimiento social, alerta sobre una “arremetida contra los movimientos sociales, indígenas y obreros”.
“Las negociaciones con las insurgencias no dan solución total a la problemástica que atraviesa el país. Posiblemente haya un acuerdo con la insurgencia de las FARC, y una posibilidad de acuerdo con el ELN; el movimiento social va a recobrar protagonismo porque la paz es una construcción colectiva que deberemos tomar en nuestras manos”, afirmó Serna.
La Cumbre Agraria, al igual que el movimiento indígena y otros sectores sociales y sindicales, mantienen instancias de diálogo con el gobierno. “Las instancias de negociación no están impidiendo esta represión y violación de derechos humanos. Quienes venimos trabajando por una paz duradera somos los movimientos sociales, y desde el Estado no hay una voluntad verdadera, por eso se sigue esta vía contra el movimiento social”, concluyó la referente social.


LIDERANÇA DA ASOCIACIÓN NACIONAL DE ZONAS DE RESERVA CAMPESINA -ANZORC- FAZ UMA DENÛNCIA INTERNACIONAL DE VIOLAÇÕES DE DDHH NA COLÔMBIA




LIDERANÇA DA ASOCIACIÓN NACIONAL DE DESPLAZADOS DE COLOMBIA -ANDESCOL- FAZ UMA DENÛNCIA INTERNACIONAL DE VIOLAÇÕES DE DDHH NA COLÔMBIA



















SEM GARANTIAS PARA O EXERCICIO DEMOCRATICO NA COLÔMBIA
Dossiê de violações aos direitos humanos contra o movimento social e político Marcha Patriótica 2012-2013




O movimento social e político Marcha Patriótica encontra suas raízes na resignificação do Bicentenário da Independência, festejado em julho de 2010 na Colômbia. Naquela ocasião diferentes setores do movimento social colombiano colocaram os alicerces programáticos para a construção de uma proposta organizativa que procurasse a unidade do povo colombiano na busca da paz com justiça social.

O projeto de país condensado na proposta política da Marcha Patriótica reúne reivindicações e apostas programáticas de diversas organizações sociais de base, populares, de direitos humanos, estudantis, sindicais, camponesas, indígenas, afro colombianas, de mulheres, trabalhadores, desempregados, jornaleiros, vendedores ambulantes, etc., localizadas em distintas regiões do país, em territórios urbanos e rurais que em conjunto somam ao redor de 2000 organizações entre nacionais, regionais e locais.

O aparecimento da Marcha Patriótica no cenário político nacional tem significado um ganho no campo da mobilização social na Colômbia, conseguindo visibilizar um país nacional que tinha sido invisível aos olhos dos sucessivos governos e, além disso, posicionando no debate político a urgente necessidade de avançar até uma saída política ao conflito social e armado. Isso, solucionando suas causas estruturais, garantindo a passagem urgente até uma democracia ampla e popular e forjando uma pátria soberana.

Depois da corajosa jornada de mobilização realizada em 2012, a Marcha Patriótica tem impulsionado diversas iniciativas de mobilização social e política de impacto nacional, conseguindo em 2012 sua estruturação como processo político-organizativo, através do seu congresso consultivo que reafirmou o caráter político, democrático, patriótico, popular e social desse movimento.

Garantias políticas para a Marcha Patriótica como movimento político e social.
Desde o momento do seu lançamento o movimento político e social Marcha Patriótica tem sido vítima de uma campanha de estigmatização, incriminação e perseguição que faz prova da história de exclusão política que tem caracterizado o regime político colombiano.

-       Exclusão política e extermínio das iniciativas políticas alternativas

O regime político colombiano tem se caracterizado pela profunda tradição de exclusão política e social, origem dos diferentes ciclos de violência que o país tem atravessado. Um dos fatos históricos mais representativos dessa tradição é o genocídio político da União Patriótica. Partido político surgido em 1985 no marco do processo de paz adiantado entre a insurgência das FARC-EP e o governo de Belisário Betancur, ao qual se somaram diferentes expressões do movimento social, sindical, estudantil, camponês, operário e mesmo alguns sectores de partidos políticos tradicionais. Porém, mesmo se tratando de uma expressão legal e legítima no marco da participação política que teria que ser característica de toda democracia, desde o ano 1986 –quando ficou evidente a força política e eleitoral dessa iniciativa–  foi iniciada uma política sistemática de extermínio dos dirigentes e militantes desse partido. Extermínio que resultou num genocídio por razões políticas, sendo assassinados nos anos posteriores ao seu lançamento dois (2) de seus candidatos presidenciais, oito (8) congressistas, treze (13) deputados, onze (11) prefeitos e mais de três mil (3.000) militantes. Do mesmo modo, ao redor de mil (1.000) militantes foram vítimas de desaparecimento forçado, perto de quinze (15) massacres foram perpetrados, se agenciaram múltiplas formas de tortura e se realizaram mais de vinte (20) atentados em contra de sedes políticas. Realidade essa que deixou aos sobreviventes o exílio como única opção para proteger sua vida e a vida dos seus parentes. Todas essas ações de extermínio político e físico foram possíveis pelo contubérnio entre os sucessivos governos, as classes dirigentes do país, os grupos paramilitares e o Exército Nacional colombiano, como foi corroborado nos processos de verdade, justiça e reparação que têm se conseguido adiantar a pesar do elevado nível de impunidade que impera nesse doloroso capítulo da história política colombiana.

-       Padrões de perseguição à Marcha Patriótica

Por conta do caráter popular e alternativo da nossa proposta política, desde o ano 2010 temos sido objeto de uma campanha de estigmatização e incriminação em contra de nosso movimento e das pessoas que o representam. Também temos sido vítimas de ações ilegais da parte de membros da força pública colombiana, tais como a remoção e a confiscação do nosso material publicitário, o amedrontamento no contexto da aproximação para a interlocução com autoridades, a linguagem estigmatizante, o uso da grande mídia para a difusão de mensagens difamatórias e a ameaça direita por parte dos grupos paramilitares em contra das lideranças de organizações que conformam a Marcha Patriótica.

Essa realidade tem se agravado em razão da constituição da nossa estrutura organizativa e do lançamento oficial da nossa proposta política na forma dum movimento social e político, realizado os dias 21, 22 e 23 de abril de 2012 com a participação de aproximadamente 100.000 colombianos de todas as regiões do país. A partir desse momento as ações ilegais têm aumentado, assim como os pronunciamentos oficiais nos médios massivos de comunicação em contra do movimento, afetando diretamente os direitos fundamentais de quem participa nesse processo político. Tais comportamentos constituem condutas criminosas tais como difamação, estigmatização, acossamento e ameaça, além de serem uma infração ao principio de distinção da população civil estabelecido pelo DIH. Essa realidade toda se reflete nos fatos a seguir:

1.    O dia 1 de março de 2012 no departamento de Arauca agentes da policia detiveram dois (2) membros da Comissão de Direitos Humanos e tentaram confiscar a publicidade do lançamento do movimento político Marcha patriótica sob o argumento de não haver suporte legal para portar tal publicidade.

2.    No inicio do mês de março de 2012 no povoado Laguna de Ortices (sob a jurisdição do município San Andrés, Santander), num evento pela defesa do território, agentes da policia acusaram e estigmatizaram aos participantes do evento e aos defensores de direitos humanos que têm acompanhado os processos sociais da região. Ainda a força pública, sem autorização, tirou fotografias das lideranças da Comissão de Direitos Humanos da Coordenação Nacional de Organizações Agrárias e Populares da Colômbia. A essa situação somam-se os bloqueios alimentares realizados pelo Exército na região e a presença paramilitar cuja forma de agir está semeando o terror nas comunidades camponesas.

3.    O dia 11 de março de 2012 no arraial Caño Tigre (Região do Nordeste Antioqueño), depois da conformação dos Consejos Patrióticos Interveredales e da comemoração do dia internacional da mulher, unidades do Exército nacional –sem serem autorizados– fizeram presença dentro dos estabelecimentos comerciais do arraial Campo Bijao, onde se encontrava a população civil, incluindo menores de idade. 

4.    Entre os meses de janeiro e abril de 2012 as comissões Política e de Direitos Humanos do movimento social e político Marcha Patriótica têm desenvolvido uma forte tarefa de interlocução com autoridades nacionais, regionais e locais, perante as quais tem se apresentado a iniciativa política, assim como as denuncias pertinentes, solicitando garantias para o desenvolvimento das atividades sob o amparo da constituição política nacional.

5.    O dia 27 de março de 2012 o site do diário El Tiempo, no seu link http://www.eltiempo.com/justicia/ARTICULO-WEB-NEW_NOTA_INTERIOR-11444962.html, publicou um artigo titulado “Marcha Patriótica preocupa por posible infiltración de las FARC”, no qual expressam textualmente: “sem ter sido lançado oficialmente, o movimento Marcha Patriótica... começa a gerar inquietude entre as autoridades... E o que preocupa aos organismos de seguridade é a similitude do projeto com um plano contido num dos correios descobertos nos computadores do ̒Mono Jojoy̕, que foram processados”. Essa noticia que atenta contra os direitos fundamentais e a democracia, gerou 47 comentários no site, a maioria deles constitutivos de ameaça contra os membros de movimento político e social Marcha Patriótica.

6.    O dia 3 de abril de 2012 o site www.actualidade.com, no seu enlace http://128.241.247.68/Nota/visornota.aspx?id=1018, publicou o artigo titulado “FARC faz o lançamento do movimento político Marcha Patriótica”, no qual o advogado Jaime Restrepo, presidente da Associação de Vítimas Civis da guerrilha expressa textualmente: “Estando as coisas assim, nós vemos que as FARC agora pretendem uma marcha, que têm chamado marcha patriótica, que vai se festejar os dias 21, 22 e 23 de abril ao fazer o lançamento de um movimento político, que é o movimento político Marcha Patriótica, segundo eles falam para uma nova independência ou para a segunda independência”.

7.    O dia 4 de abril de 2012 o site da Revista Semana (Comunidades Semana), no seu link http://comunidad.semana.com/t5/Participe/Quien-financia-a-Colombianos-por-la-paz/idi-p/13743, publicou o artigo escrito pelo Coronel Luis Villamarín, titulado “Quién financia a colombianos por la paz” no qual expressa textualmente: “Qual é o vinculo que existe entre o Movimento Bolivariano Clandestino das Farc e o nascente  movimento Marcha Patriótica, etéreo grupo político do qual Piedad Córdoba já insinuou fazer parte com o lançamento previsto para o dia 23 de abril com o embeleco da “paz” que tanto querem as Farc; particularmente porque o site www.Anncol.com que pertence ao grupo narcoterrorista tem estado promovendo tal movimento político, tão pouco claro como coincidente com os postulados da manipulada paz feitos por Cano e Timochenko?”

8.   O dia 8 de abril de 2012 o senhor JHON FREN ALFONSO VACA, membro da Associação de Irmandades Agroecológicas e Mineiras de Guamocó (AHERAMIGUA) –que faz parte da Marcha Patriotica– e morador do arraial Los Guayacanes do município de Santa Rosa del Sur do departamento de Bolívar, recebeu uma ligação no seu celular na qual um suposto paramilitar que se identificou com o apelido “Pedro Muelas” lhe ameaçou de atentar contra sua vida ou de incendiar o lar no qual o Jhon mora na companhia da sua esposa e suas filhas menores. Do mesmo modo, achegados e vizinhos da esposa do senhor JHON FREN ALFONSO VACA, têm lhe manifestado que membros de organizações armadas estão realizando indagações e interrogando vários dos moradores do arraial sobre o senhor JHON FREN ALFONSO VACA, apontando que eles o têm “na mira”.

9.   Os dias 13 e 14 de abril de 2012 em um evento de direitos humanos convocado por diversas organizações indígenas e camponesas da região do Yari, no departamento do Meta, lideranças camponesas e defensores de direitos humanos denunciaram que a rádio do Exército Nacional emitia avisos nos quais se alertava à população que a mobilização que estava se convocando para o final de semana, era promovida pela guerrilha, se referindo à mobilização da Marcha Patriótica que se levara a cabo os dias 21, 22 e 23 de abril de 2012.

10.  O dia 17 de abril de 2012, no município de Pernambuco Puerto Guzmán, departamento do Putumayo às 6h30, militares, sem uma ordem oficial, invadiram e inspecionaram as casas e os lugares de trabalho dos moradores, danificando seus pertences. Às 7 horas detiveram arbitrariamente ao senhor David Gamboa Rodríguez junto com seus dois filhos David y Rodolfo Gamboa Rodríguez, ao senhor Miguel Ángel Perdomo junto com a sua esposa Rosalba Arriqui e seu sogro Ramón Arriqui, pessoas a quem acusaram de Rebelión e transladaram até Mocoa. Desde ai foram conduzidos até Porto Asis e finalmente retornados a Mocoa. Posteriormente, o jovem Rodolfo Gamboa Rodríguez foi deixado em liberdade, em quanto os outros detidos permanecem prendidos na cadeia de Mocoa, mesmo a comunidade atestando que os detidos são camponeses e que não pertencem a grupo armado nenhum.

11.  O dia 17 de abril de 2012, o site do diário El Espectador, no seu link: http://www.elespectador.com/noticias/judicial/articulo-339131-ejercito-insiste-farc-quieren-fundar-partido-politico, publicou o artigo titulado “Ejército insiste en que Farc quieren fundar partido político”, no qual se expressa textualmente: “Segundo fontes de inteligência do Exército, a guerrilha estaria por trás do movimento Marcha patriótica. Como uma parte de um reajuste do plano estratégico das Farc, os integrantes do secretariado dessa guerrilha estariam construindo um partido político a partir da infiltração das suas ideologias nos protestos sociais, segundo afirma um relatório da inteligência do Exército. Essa tese estaria suportada no material digital achado no acampamento do abatido chefe guerrilheiro Víctor Julio Suárez Rojas, alias ‘Mono Jojoy’, em 201º, que foi analisado por expertos do Exército e que na sua imensa maioria fazem parte de uma investigação que adianta a Fiscalía. O Exército diz que a guerrilha estaria mobilizando pessoal para infiltrar o evento que planeja realizar o próximo 21, 22 e 23 de abril o movimento Marcha Patriótica, que convocou a organizações de esquerda, às vítimas do conflito, a camponeses e defensores de direitos humanos para impulsionar uma “segunda independência”. Segundo o Exército, a intenção das Farc de fundar um partido político é uma proposta de Iván Marquez e no ano 2014 estaria consolidada a partir da conformação de um Consejo Patriótico Bolivariano, conformado por organizações legitimas que serviriam de fachada para que as Farc possam ingressar na política”. Até o dia 18 de abril essa noticia, que viola os direitos fundamentais e a democracia, gerou 619 comentários no site, a maior parte deles constitutivos de ameaça contra os membros do movimento político e social Marcha Patriótica. 

12.  O dia 17 de abril de 2012, na cidade de Florencia, circularam pôsteres e panfletos nos quais se tergiversam os objetivos do movimento Marcha Patriótica e dizem textualmente: “CHEGA DE MENTIRAS, QUAL MARCHA PATRIOTICA? NÃO NOS DEIXEMOS ENGANAR PELOS TERRORISTAS DAS FARC. OS CAQUETEÑOS (Pessoas nascidas no Caquetá) LEMBRAMOS O BONS QUE TÊM SIDO CONOSCO MALDITOS MENTIROSOS. GUERRILLHEROS DAS FARC UNIDOS A MARCHAR”

13.  O dia 18 de abril de 2012 nos municípios de Cartagena del Chairá y El Pauijil, do departamento de Caquetá, membros da força pública pressionaram a dirigentes comunais buscando que eles não participaram como delegados no evento de lançamento do Consejo Patriótico da Marcha Patriótica programado para os dias 21, 22 e 23 de abril na cidade de Bogotá.

14.  O dia 18 de abril de 2012 o site de ABC Internacional, no seu link http://www.abc.es/20120418/internacional/abci-farc-partido-politico-reacciones-201204181646.html, publicou o artigo titulado “Las FARC suma adhesiones a su estrategia de infiltrarse en la política colombiana” no qual se expressa textualmente: “Os relatórios das forças de segurança colombianas apontam à intenção da guerrilha de criar um partido político... A estratégia das Farc para se infiltrar na vida política está somando seus primeiros apoios. O Exército colombiano avisou da tentativa da guerrilha de introduzir sua ideologia em protestos sociais e assim conseguir adesões... A tese da tentativa das Farc de formar um partido político, segundo afirma o diário colombiano «El Espectador», está baseada na informação obtida no acampamento do chefe guerrilheiro «Mono Jojoy»,abatido em 2010. Na documentação, que está nas mãos da Fiscalía, se salienta que a guerrilha faz aportes econômicos para a nova aventura política. A estratégia de comunicação inclui a criação de rádios comunitárias e participação em protestos. A próxima grande prova da sua aceitação popular é o dia 21, 22 e 23 de abril com o movimento Marcha patriótica, convocada por organizações de esquerda”

15.  O dia 18 de abril de 2012, o site do diário El Tiempo, no seu link: http://www. eltiempo.com/opinion/columnistas/josobduliogaviria/la-marcha-patriotica-y-el-eterno-retorno/11593403/1, publicou uma coluna escrita pelo advogado José Obdulio Gaviria titulada “La marcha patriótica y el eterno retorno”, na qual se expressa textualmente: “Desde o dia 21 de abril até finalizar o mandato, no ano 2014, as Farc vão lhe fazer a vida impossível. Um alto funcionário me deu a conhecer uma troca de mensagens de correio entre 'Iván Márquez' e 'Cano'. Se poder ler ai que acordaram criar um grande movimento de massas para aproveitar o “espaço político que lhes tem aberto Santos”. O batizaram 'Marcha Patriótica'. A sua intenção é lhe roubar protagonismo em temas como terras e vítimas e em 2014, dizem confiados, serão mais um governo da Alba, onde estão seus “verdadeiros e velhos melhores amigos”. Amigos sempre dispostos a desestabilizar ao governo da Colômbia, seja Santos ou Uribe quem o conduzir.

16.   O dia 18 de abril de 2012 o doutor Manuel Arévalo Polo, Personero do município de Santa Lucía (Atlántico), dirigiu uma comunicação escrita aos coordenadores da Marcha Patriótica desse município, no qual lhes sugere se abstiver de desenvolver as atividades de mobilização programadas para os dias 21, 22 e 23 de abril de 2012 (lançamento do Consejo Patriótico Nacional da marcha Patriótica), arguindo textualmente: “...Que nem pessoa e\ou entidade garante essa mobilização perante a qual foi solicitada a permissão... Você não acha que você está colocando em perigo tanto a sua vida como a vida das outras pessoas ou, porque não dizê-lo uma Odisseia onde não se pode determinar qual será a magnitude desse risco ao não contar com um cordão de segurança que garanta e faça viável a integridade dos nossos conterrâneos. Invito lhe à reflexão, devido a que com essa decisão está se colocando em inquietação a tranquilidade de cada um dos padres e\ou parentes que ficam na expectativa de um feliz retorno”

17.  O dia 18 de abril de 2012 às 9h40, o jornal de cabo noticias na sua seção nação transmitiu a seguinte informação: “O governo nacional denuncia que o encontro da marcha patriótica convocado para os dias 20, 21 e 23 de abril é organizado pelo grupo insurgente das Farc”.

18.  O dia 18 de abril de 2012 em Puerto Asís, Putumayo, à 1h30, foi vítima de desaparecimento forçado o nosso companheiro HERNAN HENRRY DIAZ, dirigente de Marcha Patriótica, quem se desempenhava como organizador da delegação de mais de 200 pessoas do município do Valle el Guamues que participariam dos encontros programados para os dias 21, 22 e 23 de abril de 2012 (lançamento do Consejo Patriótico Nacional da Marcha Patriótica). O desaparecimento foi denunciado formalmente no dia 20 de abril de 2012.

19.  O dia 27 de abril de 2012 a noite, no bairro Bochica, sul de Bogotá, pistoleiros que se mobilizavam em uma moto assassinaram ao nosso companheiro MAO ENRIQUE RODRIGUEZ, de 42 anos de idade, militante do Partido Comunista Colombiano, quem trabalhava há 12 anos como escolta no Programa de Proteção do Partido Comunista Colombiano –União Patriótica– do Ministério do Interior, atualmente vinculado à Unidade Nacional de Proteção. MAO ENRIQUE RODRIGUEZ se desempenhou durante 8 anos como escolta de Carlos Lozano Guillén e no momento do assassinato oferecia proteção a Alfonso Castillo, também militante do Partido Comunista Colombiano, organização membro do movimento político e social Marcha Patriótica.

20.  O dia 30 de abril de 2012 o site do diário Caqueteño “El Líder”, no seu link http://www.ellider.com.co/2012/04/30/denuncian-desaparicion-de-lider-de-%E2%80%9Cmarcha-patriotica%E2%80%9D/, publicou a nota titulada “Denuncian desaparición de líder de “Marcha Patriótica””, noticia que gerou comentários de pessoas que se identificaram como “POR UM MELHOR CAQUETÁ”, “o indeciso”,”QUETIREM SUA MASCARA”, “ME VENGAREI UM DIA DAS FARC”, quem estigmatizaram aos membros de organizações sociais, de direitos humanos e autoridades departamentais, e instigaram para o seu extermínio como no caso da UP.

21.  O dia 08 de agosto de 2012 na cidade de Barranquilla no departamento do Atlántico, os autodenominados “Comandos Urbanos: Exército Colombiano Anti Restituição”, através da conta de correio eletrônico ejercitoantirestitucioncolombia@yahoo.es, difundiram ameaças de morte contra todos os membros do movimento político e social Marcha Patriótica na cidade de Barranquilla e contra varias organizações de direitos humanos, manifestando textualmente: “1. Ordenar pela ultima vez a todas essas organizações deixar de lado o discurso subversivo arcaico, aos comparsas do passado e do presente. 2. Morte para todos os membros das associações como os “sapos” que trabalham na restituição de terras”.

22.  O dia 3 de setembro de 2012 no marco das declarações do governo nacional, que confirmaram o inicio dos diálogos de paz com a insurgência das FARC, a associação colombiana de oficiais retirados das forças policiais (ACORE) emitiu um comunicado público no qual aponta ao movimento político e social Marcha Patriótica como o braço político das FARC e expressou textualmente: “Não queremos terroristas exercendo cargos de poder... Marcha Patriótica como braço político da organização terrorista, devera ser liquidado até quando não se chegar a um acordo final de suspensão do conflito armado”.

23.  O dia 9 de setembro de 2012 no caminho que comunica o arraial Pipiral e o centro povoado de Puerto Alvira no departamento do Meta, entre as 10 e as 11h, militares que se identificaram como membros da infantaria da marinha detiveram sem ordem judicial aos camponeses DUBERNEY BOHÓRQUEZ BELTRAN, líder da comunidade e presidente da Junta de Acción Comunal Pipiral, e ao seu irmão ALQUIBER BELTRÁN BOHORQUEZ, membros do movimento político e social Marcha patriótica. Durante a detenção os camponeses foram submetidos a interrogatórios e registrados nas bases de dados do exército, além de fotografados e acusados de serem guerrilheiros das Farc, lhes culpando de terem participado na toma guerrilheira da base militar de Mitú e Miraflores, e lhes dizendo que os militares possuíam depoimentos de um suposto “desmobilizado”.

24.  O dia 13 de setembro de 2012 no aeroporto internacional El Dorado da cidade de Bogotá, foi detido de maneira irregular o porta-voz e membro da Junta Patriótica Nacional, Andrés Gil, sob o suposto argumento de ter uma ordem de captura do ano 2007, sendo conduzido à estação 100, onde depois de varias horas de tramites foi deixado em liberdade ao não se encontrarem requerimentos judiciais em contra dele. Durante as horas da sua detenção Andrés Gil denunciou o constante maltrato da parte das autoridades através de comentários e procedimentos mal-intencionados de estigmatização em contra dele.

25.  O dia 28 de setembro de 2012 no município de Contraación no departamento de Santander, o companheiro RANDY STEVEN SANTAMARIA NINO foi detido sem ordem judicial pelo sargento Stalin, membro da Policia desse município, lhe transladando até uma estação de policia onde foi intimidado e interrogado por agentes da força pública, particularmente o sargento Stalin o interrogou sobre as pessoas que fazem parte de Marcha Patriótica na região e no município e sobre a origem do movimento, manifestando arbitrariamente que “Marcha Patriótica é financiada pela guerrilha”. Aproximadamente duas horas depois, o companheiro Randy foi deixado em liberdade.

26.  O dia 7 de outubro de 2012 no arraial Betania, do departamento do Cauca, às 11h40 um grupo de militares do Batalhão de Infantaria No. 7 “General José Hilario López” dispararam indiscriminadamente as suas armas de dotação contra o comercio “Punto Rojo” ocasionando a morte de uma menor de 13 anos de idade: INGRID JOHANA RUIZ, e ferindo ao senhor MARCO TULIO CRUZ e à menor de 13 anos de idade KAROL YULIET PIAMBA CASTILLO, integrantes da Associação Agroambiental de Trabalhadores Camponeses do Patía AGROPATIA, organização membro do processo de Unidad Popular del Suroccidente Colombiano -PUPSOC- e do movimento político e social Marcha Patriótica no município do Patía. No mesmo episódio também foram assassinadas três pessoas que portavam prendas de uso privativo das forças militares (roupas camufladas) que foram apontadas como supostos integrantes do 8° frente das FARC-EP.

27.  O dia 12 de outubro de 2012 em Bogotá, durante o curso da greve nacional convocada pelo movimento político e social Marcha Patriótica, membros do Escuadrón Móvil Antidisturbios (ESMAD) da Policia Nacional agrediram brutalmente aos participantes das mobilizações pacíficas que se fizeram, deixando 18 pessoas feridas e 78 detidas; 77 delas deixadas em liberdade ao redor das 16h. Dentre as pessoas detidas encontrava se o jovem OSCAR IVAN LONDOÑO, membro do Consejo Patriótico de Bogotá, quem fora detido no momento em que adiantava tarefas de interlocução com a Policia Nacional e fora transportado durante mais de duas horas em um veículo da policia, onde foi torturado física e psicologicamente por seus captores, lhe ocasionando incapacidade de 8 dias de acordo com a valoração do Instituto Nacional de Medicina Legal. Apesar de ser vítima de agressão, o nosso companheiro foi submetido a um processo penal com acusações de “agressão a funcionário público” no qual o juiz que legalizou a captura omitiu seu depoimento como vítima de tortura física e psicológica, ordenando a sua liberdade, mas o mantendo vinculado ao processo judicial.

28.   O dia 18 de outubro de 2012, perto das 9h, no município de Contratación no departamento de Santander, quatro homens que se mobilizavam em uma camionete, se apresentaram no sanatório do município, onde reuniram e interrogaram aos trabalhadores, lhes pressionando para que informassem os nomes das pessoas que teriam convocado reuniões no município em nome de Marcha Patriótica. 

29.  O dia 18 de outubro de 2012, por volta das 16h, nas instalações da Central Unitária de Trabalhadores (CUT) subdiretiva Santander localizada na cidade de Bucaramanga, um individuo desconhecido se apresentou perguntando pela companheira Alexandra Rodríguez, membro ativo da Marcha Patriótica, a quem lhe entregou um envelope endereçado à companheira Martha Cecilia Díaz, membro da Junta Patriótica Nacional e presidenta do sindicato ASTDEMP; tal envelope continha um panfleto assinado pelo grupo paramilitar autodenominado “Las Aguilas Negras” ameaçando de morte aos companheiros Martha Cecília Díaz, Luis Javier Correa Suarez, Álvaro Villamizar, Efraín Guerrero Beltrán, Juan Carlos Galviz, Nelson Pérez, Wilson Ferrer e Cesar Tamayo.

30.  O dia 10 de novembro de 2012, às 7h30, no bairro Divino niño do município de Soacha do departamento de Cundinamarca, pistoleiros assassinaram ao nosso companheiro EDGAR SÁNCHEZ PAREDES, de 54 anos de idade, membro do movimento político e social Marcha Patriótica, militante do Partido Comunista, ex-dirigente sobrevivente do extermínio da Unión Patriótica e membro da Junta de Ação Comunal do município de Soacha. Cabe lembrar que quatro (4) meses atrás foi difundido o rumor da existência de um plano para assassinar vários dirigentes comunais e sociais dessa municipalidade e foi constante a presença de pessoas e automóveis estranhos no setor.

31.  O dia 13 de janeiro de 2013 no parque Simón Bolívar da cidade de Bogotá D.C., aproximadamente trinta (30) sujeitos que se identificaram como membros do grupo neonazista Comando Radical Nacionalista, atacaram vários jovens membros da Plataforma Engativá e do movimento político e social Marcha Patriótica, que se encontravam jogando futebol, os agressores arremessaram garrafas, pedras e tijolos contra os nossos companheiros que levavam bonés da Marcha Patriótica, sendo atingido o menor de 16 anos de idade NICOLAS GUTIERREZ com um tijolo que impactou seu rosto e lhe ocasionou graves ferimentos que fizeram necessária uma intervenção cirúrgica. Posteriormente, o menor foi valorado pelo Instituto de Medicina Legal que determinou uma incapacidade provisional de 35 dias.    


Movimento Político e Social Marcha Patriótica

Atualizado em janeiro 22 de 2013

MARCHA PATRIÓTICA CAPÍTULO BRASIL – RIO DE JANEIRO
REPORTE MENSAL SITUAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS NA COLÔMBIA
JUNHO DE 2013

ESTUDANTES COLOMBIANOS PROPÕEM NOVA LEI DE EDUCAÇÃO SUPERIOR


Durante o ano 2011 o movimento estudantil colombiano alcançou grandes vitórias para a sociedade colombiana perante um governo reacionário e antidemocrático. A principal vitória foi a derrota da reforma à lei de educação superior proposta pelo governo Santos, que pretendia aprofundar os mecanismos de intermediação financeira e privatização no setor.

O processo resultou na articulação política da maioria de organizações e setores estudantis na Mesa Ampla Nacional Estudantil – MANE, estruturada como uma plataforma de unidade política. A MANE foi desde o começo uma amostra de maturidade e fortaleça da luta dos estudantes, articulando as principais reivindicações destes no Programa Mínimo dos Estudantes Universitários que contemplava seis eixos: Financiamento; Democracia e Autonomia; Assistência; Qualidade Acadêmica; Liberdades Democráticas; Relação Universidade-Sociedade. 

O ano 2011 foi um ano de protestos massivos nas ruas e universidades, desde então a tarefa tem sido a construção de uma proposta alternativa de lei de educação superior. Com mesas de discussão da MANE em todos os estados do país, em quase todas as universidades públicas e privadas, e após de incontáveis sessões de trabalho locais e regionais e sete assembleias nacionais, os dias 2 e 3 de junho a VII Plenária Nacional da MANE aprovou a Proposta de Lei de Educação Superior construída pelos estudantes. O documento aprovado por mais de 2500 assistentes será submetido a uma última revisão técnico-acadêmica antes de sua circulação massiva.

Os quatro pontos centrais da proposta podem ser resumidos assim:

1.      Gratuidade para melhorar o acesso e a cobertura: A “matrícula zero” tem sido uma das mais importantes bandeiras da MANE. A gratuidade total da universidade pública, com financiamento total por parte do Estado, pretende corrigir a falta de acesso à educação. Ainda que o problema do acesso também dependa do investimento na educação básica e dos programas de assistência, a gratuidade é um avanço fundamental e depende do adequado e contínuo financiamento estatal.
2.      Políticas de Assistência estudantil: A falta de políticas de assistência estudantil gera inaceitáveis taxas de evasão na educação superior, ao redor de 50% dos estudantes matriculados não conclui seus cursos. Programas de alimentação, moradia, transporte, esporte, cultura, saúde, são urgentes. A terceirização e o recorte dos programas que existem atualmente os tornam insuficientes para as grandes necessidades dos estudantes num contexto de espolio generalizado da população colombiana.
3.      Qualidade Acadêmica: Que depende da garantia das condições para o desenvolvimento das atividades acadêmicas e passa por: aumento de pessoal docente; liberdade de cátedra; aumento de cobertura e financiamento adequado e eliminação dos mecanismos de competência e padronização.
4.      Autonomia universitária: entendida como o fortalecimento da democracia ao interior das instituições de educação superior. A participação com equidade dos estudantes, professores e trabalhadores da universidade na sua administração sem ingerência de interesses privados externos e o financiamento total por parte do Estado de suas atividades, são componentes centrais da proposta.

Para finais de agosto a proposta será apresentada à ministra de educação María Fernanda Campo e começará o processo de negociação com o governo. A MANE está planejando uma serie de manifestações criativas com as quais busca aquecer o debate com o governo, que com esta nova proposta tem a bola do seu lado. Frente a grave crise do setor, a sociedade colombiana exige uma discussão seria, onde deve se definir se a educação pública continuará existindo. A proposta da MANE representa a esperança de mudança para o setor através da luta organizada do povo colombiano que hoje exige mudanças radicais no modelo econômico, social e político do país.  

FONTES:
VEJA TAMBÉM:
3.      Analise crise financeira da educação superior em Colômbia – Sistema Universitário Estatal



CONCLUSÕES E PROPOSTAS MESA DE ESTUDANTES E PAZ - FÓRUM PELA PAZ NA COLÔMBIA

O Fórum pela Paz na Colômbia foi um sucesso porque esteve cheio de povo, de amor e de espírito unitário de toda nossa América, aquela que vem se construindo com o suor de trabalhadores e trabalhadoras, com a resistência dos povos indígenas, com a coragem dos e das afrodescendentes, com a alegria dos e das jovens, com a valentia das mulheres e, claro, com o empenho de toda essa gente que dia a dia faz o possível e o impossível para sobreviver.
                                   
Ainda que com o cansaço pelos preparativos, pelas longas viagens, pelas tarefas realizadas em nossas cidades, mas com muito ânimo, confluímos no Fórum com a expectativa de nos encontrar, de escutar-nos e de tecer os apoios necessários para a construção da paz com justiça social, soberania e democracia em nosso irmão país colombiano. (1)


Neste nosso Fórum, mais uma vez a voz dos jovens esteve presente com força através das diferentes delegações internacionais de estudantes, lutadoras e lutadores sociais que compareceram com a vontade de construir propostas e caminhos para seguir percorrendo.

Com sua presença, organização e participação os jovens estiveram construindo fórum pela paz com justiça social, democracia e soberania na Colômbia. A continuação apresentam-se algumas das propostas surgidas na mesa temática de Estudantes e Paz, que podem contribuir na luta dos nossos povos latino-americanos.

·         Chamou-se à defesa da educação como direito e não como mercadoria fortalecendo a articulação internacional nesta luta setorial.
·         Se exigiu a desmilitarização das universidades públicas e maior investimento em educação frente ao investimento em guerra.
·         Identificaram-se as universidades como centros na luta ideológica contra os valores neoliberais de individualismo, que tem levado à apatia, superando o medo imposto pela guerra na Colômbia.
·         Foi feito um chamado a avançar na construção de uma universidade desde o povo e que responda a suas necessidades. Os estudantes devem assumir e atuar como intelectuais orgânicos do povo.
·         Apontou-se que a discussão ao redor da paz deve chegar aos centros de educação superior e às escolas.
·         Devem-se ampliar a oferta de cátedras e cursos livres.
·         Assinalou-se que é importante aprender e ampliar as experiências de educação popular na América Latina e na Colômbia gerando espaços de intercâmbio. Deve-se usar a educação como arma de memória e formação para a luta política.
·         Finalmente os participantes desta mesa exigiram a imediata restituição dos direitos políticos à lutadora social e militante da Marcha Patriótica, Piedad Córdoba.

Este é só mais um aporte dos jovens e estudantes na luta continental pela segunda e definitiva independência de nossa América. Os jovens e estudantes continuam em Marcha.

VEJA TAMBÉM:




7,8, E 9 DE JUNHO. EM MEMÓRIA DOS ESTUDANTES REVOLUCIONÁRIOS CAÍDOS

Em vários países da América Latina se comemora em datas diferentes o dia do estudante. No caso da Colômbia, os dias 7, 8 e 9 de junho representam pontos altos da mobilização estudantil pela ampliação da democracia colombiana e, ao mesmo tempo, são exemplo da brutalidade da resposta do Estado.

Assim, é lembrado que o dia 7 de junho 1929 estudantes da Universidad Nacional de Colombia marcharam para repudiar a indicação do general Cortés Vargas como chefe da policia de Bogotá. Meses antes (6 de dezembro de 1928), Cortés Vargas ordenou o que hoje é conhecido como “Masacre de las Bananeras”. Durante essa marcha foi assassinado o estudante de direito da Universidad Nacional de Colombia (UN) Gonzalo Bravo Pérez atingido pelos disparos da força de defesa do palácio presidencial.

O dia 8 de junho de 1954, durante a comemoração do vigésimo quinto aniversário da morte do estudante Bravo Pérez, que concluiu numa marcha até o centro de Bogotá, foi assassinado o estudante de medicina da UN Uriel Gutiérrez em função da forte repressão por parte da força pública.

Um ano depois, o dia 9 de junho de 1954, durante uma marcha até o centro de Bogotá para expressar a rejeição dos assassinatos de vários estudantes universitários por parte do Estado, a repressão executada pelo batalhão Colômbia -que havia participado como aliado dos Estados Unidos na guerra de Coreia- deixou como resultado onze estudantes da UN assassinados e cerca de cinquenta feridos.

A comemoração destas datas também inclui os acontecimentos de 10 de maio de 1957, quando despois da caída da ditadura do conservador General Rojas Pinilla, o governo do então presidente Julio Cesar Turbay ordenou à força pública encarcerar aos portadores de livros socialistas. Dessa ação, ainda se desconhece o número de detentos e desaparecidos.

VEJA TAMBÉM:
  1. http://www.marchapatriotica.org/noticias-2/1500-estudiantes-l-8-y-9-de-junio
  2. http://cefoudea.blogspot.com.br/2010/06/conmemoracion-dia-del-estudiante-caido.HTML
  3. http://www.mineducacion.gov.co/cvn/1665/article-162947.html
  4. http://es.wikipedia.org/wiki/D%C3%ADa_Internacional_de_los_Estudiantes


O CABILDO NACIONAL DE JUVENTUDES DA MARCHA PATRIÓTICA

Um dos cabildos que integram o movimento politico e social Marcha Patriótica, é o Cabildo Nacional de Juventudes. Na Colômbia a participação juvenil toma um caráter especial levando em conta que grande parte da geração anterior de lutadores de esquerda, sindicalistas, líderes comunitários, indígenas, estudantis e afrodescendentes, foram assassinados ou condenados a viver no exilio. Nesse contexto nacional específico, a mobilização juvenil tem se consolidado como herdeira do aprendizado daquelas lutas e dores, mas também como responsável de dar continuidade ao assumir essas bandeiras, atualizando-as e formar uma ponte com as novas gerações.  

O cabildo dos e das jovens da Marcha Patriótica tem manifestado seu compromisso com a vida, a justiça social e com a independência do povo colombiano. Assim ficou claro na declaração política do Cabildo Nacional de Juventudes, que se realizou os dias 24, 25 e 26 de agosto de 2012 na cidade de Cartagena.

No evento realizado em Cartagena foram alcançados excelentes resultados que aproveitaram o trabalho prévio de preparação e discussão dos pre-cabildos desenvolvidos em várias regiões da Colômbia. Nem a repressão policial que agrediu e acossou tanto aos encarregados da hospedagem para as delegações como aos motoristas dos ônibus, nem a sabotagem de alguns hoteleiros que cancelaram a última hora as reservas para os jovens da Marcha, conseguiram impedir a realização do evento, menos ainda que os jovens pudessem dar um exemplo de alegria, dignidade e resistência.

Como resultados das doze mesas de trabalho, os jovens reafirmaram seu posicionamento a respeito de uma saída política e negociada ao conflito social e armado colombiano, defendendo um projeto de país diferente construído por meio do debate, a arte e a cultura, e fazendo resistência à continuada estigmatização por parte da mídia, dos organismos de segurança e dos porta-vozes do governo nacional.

O trabalho do Cabildo Nacional de Juventudes continuou desde então com o propósito de criar elementos programáticos alternativos de organização popular e de mobilização dos jovens colombianos.
VEJA TAMBÉM:
  1. http://www.prensarural.org/spip/spip.php?article8988
  2. www.marchapatriotica.org/oficina-de-prensa/noticias/434-boletin-no-6


DA CONTINUA PERSEGUIÇÃO AO PENSAMENTO POLÍTICO E DOS IDEAIS LIBERTÁRIOS

Na quinta-feira 22 de novembro de 2012 foi realizada uma captura de sete professionais egressos da Universidad de Caldas e de um estudante da Universidad Nacional de Colombia em diferentes lugares do país. Eles foram apontados pelo crime de rebelião pela fiscalía, a qual os acusa baseada em um fraco e ilegítimo material probatório. Toda essa suposta evidencia –como demostrado na maioria dos casos– faz parte da farsa judicial que é empregada para estigmatizar e perseguir aos militantes de partidos de oposição política.

Dentre o grupo de detentos há três militantes da Marcha Patriótica e de outros movimentos de esquerda. Os integrantess do movimento social e político Marcha Patriótica são: Julio César Murillo García, Lesner Jafet Almenarez Gómez e Carlos Andrés Ospina Parra. Este caso se suma às várias tentativas de estigmatização que a Marcha Patriótica tem sofrido desde sua criação, desta vez por meio da habitual forma de criminalização do pensamento político e das ideias libertarias.

VEJA TAMBÉM:
  1. http://remapvalle.blogspot.com.br/2012/11/pronunciamiento-de-intelectuales.html
  2. https://fronterainformativa.wordpress.com/2012/11/24/ocho-personas-fueron-detenidas-por-supuesto-delito-de-rebelion-en-la-carcel-para-varones-de-manizales/
  3. http://www.rcnradio.com/noticias/dictan-medidas-de-aseguramiento-miembros-de-marcha-patriotica-y-profesionales-34959
  4. http://www.rebelion.org/noticia.php?id=159945


SEGUIMOS EM MARCHA PELA SEGUNDA E DEFINITIVA INDEPENDÊNCIA







MARCHA PATRIÓTICA CAPÍTULO BRASIL – RIO DE JANEIRO
REPORTE MENSAL SITUAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS NA COLÔMBIA
MAIO DE 2013, RIO DE JANEIRO

Reporte especial




Nota de Imprensa http://www.marchapatriotica.org/noticias-2/1357-nota-de-prensa-9-de-abril-todxs-por-la-paz

NOTICIAS
INTELECTUAIS, POLÍTICOS E ESCRITORES RESPALDAM A PIEDAD CORDOBA ANTE A CORTE CONSTITUCIONAL COLOMBIANA


A continuação se traduz (tradução livre) a carta enviada por mais de 200 intelectuais, políticos e escritores de América Latina e o mundo em apoio a Piedad Córdoba, ante o processo adiantado frente a Corte Constitucional colombiana para restituir seus direitos políticos ilegitimamente violentados pelo Procurador General da Nação, Alejandro Ordoñez.

Março 3 de 2013

À opinião pública mundial, às instituições colombianas, em especial aos Magistrados da Corte Constitucional.

Quem assinamos esta carta, a dirigimos com profundo respeito e ao tempo com a convicção moral e o direito que temos para expressar nossa solidariedade e assinalar a gravidade de uma decisão equivocada em contra dos direitos no só da dirigente política Piedad Córdoba Ruiz, mas dos direitos coletivos do povo colombiano a construir a paz.

Fazemo-lo com o alarme causado pela informação de imprensa que da conta da possibilidade de que o alto Tribunal constitucional possa decidir negativamente a ação de tutela interposta pela ex Senadora Piedad Córdoba contra a decisão injusta e ilegítima ditada em 2010, faz dois anos e meio, pelo Procurador General de Colômbia, na que, indo além de sua competência, determinou sanciona-la por 18 anos, decretando uma morte política, a quem tinha sedo legitimamente elegida por uma parte importante de mulheres e homens na Colômbia.

A destituição e inabilitação que impuseram-lhe pareceu-nos e parece-nos um absurdo jurídico, ético e político, baseado em provas manipuladas, como judicialmente está confirmado, com elementos obtidos ilegalmente numa operação militar que violou os mais elementares princípios do direito internacional e dos direitos humanos, ao violar a soberania de um país vizinho e amigo como o Equador, na que com poderosos bombardeios se consumou uma matança trás a qual roam pegados uns computadores nos que supostamente uns correios indicariam uma indevida relação de Piedad Córdoba com a guerrilha das FARC.    

A Sala de Casación Penal da Corte Suprema de Colômbia (18 de maio de 2011), determinou que o conteúdo demonstrativo de esses elemento em arquivos estáticos que não ligam uma origem com um destino, é ilegal: “Os documentos eletrônicos encontrados nos computadores de “Raúl Reyes” foram recolhidos por membros das Forças Armadas colombianas, durante uma inspeção que fizeram em território ecuatoriano sem consultar com as autoridades desse país, desatendendo frontalmente o “devido processo” que governa a produção de provas no exterior, ainda mais de que assim procederam nem sequer tinham faculdades de polícia judicial”.

A presunção de inocência, o direito à defesa, conjunto das garantias e do devido processo no só estar-se-iam violando de forma radical com uma decisão que a condenasse, mas estar-se-ia violando seu direito e com ela o de uma ampla parte da população colombiana, a construir e participar ativamente da paz, tal e como o reconhecem instrumentos jurídicos subscritos pelo Estado colombiano. 
A decisão do Procurador, insistimos, não só viola os direitos políticos de Piedad Córdoba, mas dos colombianos e colombianas que votaram por ela como representante política. O direito a ser eleito e a eleger, protegido irrestritamente, como o estabelece o artigo 23 da Convenção Americana de Direitos Humanos, entres outros tratados, assinala a possibilidade de limita-lo por condena emitida por juiz competente em um processo penal, o qual em absoluto tem ocorrido, nem sequer sendo chamada a um evento o instância de tal natureza, o qual proba a arbitrariedade do ato do Procurador. A Corte Interamericana de Direitos Humanos tem assinalado que se a sanção é aplicada por um órgão distinto a um juiz penal competente ou não aplicou como consequência de um processo penal no que se cumpriram as garantias previstas para a proteção do devido processo, violar-se-ia os direitos a eleger do povo colombiano e a ser eleita de Piedad Córdoba,  gerando o pudendo demandar-se a responsabilidade do Estado colombiano.

Estar-se-ia enviando uma clara mensagem de obstrução política e perseguição, não só da pessoa que colocou em risco sua vida para mediar e obter a libertação de dezenas de civis e militares em mãos da guerrilha, como fez exitosamente numa delicada tarefa de anos, reconhecida mundialmente, mas de todos os que têm como objetivo o cessar da violência. Nisso consistiram seus contatos e ofícios, dentro de um tramo político que contribuiu ao indiscutível cenário que hoje temos, de um vivo e cheio de esperança processo de paz entre o governo e as FARC.

Uma tal mensagem de castigo é uma mensagem de condena desse processo, dado que se hoje se afoga a participação duma destacada personalidade como Piedad Córdoba, na vida política de seu país em igualdade de condições, com que garantias poderá contar essa grande parte do povo colombiano tradicionalmente excluída do poder político? Essa morte política que equivale a uma pena extrema que rompe o avanço do Estado de Direito na Colômbia, essa criminalização resultante, reforçaria o que judicialmente já tem sedo comprovado em expedientes que obram contra redes e estruturas comprometidas em crimes de lesa humanidade. Que por todos os médios, incluindo atentados contra sua vida e de seus assessores, interceptação de suas comunicações, seguimentos e ameaças, tem existido um propósito espúrio contra Piedad Córdoba.

Confiamos que uma justa decisão da Corte Constitucional não lhes ceda a ração a quem acudindo a diversidade de métodos ilegais tem procurado afasta-la das opções e alternativas políticas as que o povo colombiano tem direito para atingir a paz.

Expectantes em que será acolher dita ação de tutela, e que conforme ao ordenamento legal colombiano se terão essas probas como fora do devido processo, por tanto plenamente nulas, confiamos e demandamos com respeito que lhe sejam restituídos a Piedad Córdoba Ruiz todos seus direitos políticos, su condição de Senadora da República, cessando assim este capítulo desonroso de perseguição política e de intolerância inadmissível.  

Por tanto, quem assinamos esta missiva pública desde a comunidade internacional, fazemos um chamado à Corte Constitucional da Colômbia, para restabeleça a justiça, conscientes dos efeitos no só para essa pessoa e eleitores, mas para o que significa política e historicamente para enaltecer assim o serviço de juridicidade à vocação de paz e reconciliação, incompatíveis com o quebrantamento dos direitos fundamentais e de custosos princípios de civilização como são a presunção de inocência, o respeito ao devido processo e o exercício pleno dos direitos políticos.

Atentamente,
Adolfo Pérez Esquivel, Premio Nobel de la Paz, Presidente SERPAJ-Argentina, miembro de la Comisión Ética para Colombia; Federico Mayor Zaragoza, Ex Director General de la UNESCO, ex Ministro, Presidente Fundación Cultura de Paz, España; Heike Hänsel, Parlamentaria de Die Linke, presidenta de la Subcomisión de Naciones Unidas del Bundestag, Alemania; Mirta Acuña de Baravalle, Madre de Plaza de Mayo – Línea Fundadora, Abuela de Plaza de Mayo, Miembro de la Comisión Ética para Colombia; Cayo Lara Moya, Coordinador Federal de Izquierda Unida, Diputado, Presidente del Grupo Parlamentario IU-ICV-CHA, Congreso de los Diputados, España; José Luis Centella Gómez, Secretario General del Partido Comunista de España, CE, Diputado, Portavoz del Grupo Parlamentario IU-ICV-CHA: La Izquierda Plural, Congreso de los Diputados, España; François Houtart, sacerdote, sociólogo, profesor emérito Universidad de Lovaina, Bélgica; Carlos Fernández Liria, filósofo, profesor Universidad Complutense de Madrid – España; Joan Josep Nuet i Pujals, Coordinador General de Esquerra Unida i Alternativa, Diputado IU Barcelona, Grupo Parlamentario IU-ICV-CHA, congreso de los Diputados, España; Ricardo Sixto Iglesias, Diputado IU Valencia, Grupo Parlamentario IU-ICV-CHA: La Izquierda Plural, Congreso de los Diputados, España; Belén Gopegui, escritora, España; Santiago Alba Rico, escritor, filósofo, Túnez, España;Agustín Velloso Santisteban, doctor en Filosofía y Ciencias de la Educación, profesor universitario y escritor, España; Isaac Rosa, escritor, España; Constantino Bértolo, escritor, editor, España; Ángel Guerra Cabrera, Cuba/México, periodista y catedrático.; Stephen Haymes, Universidad de Paul, Chicago, Estados Unidos; Gaspar Llamazares Trigo, Diputado IU Asturias, Grupo Parlamentario IU-ICV-CHA: La Izquierda Plural, Congreso de los Diputados, España; Ascensión de las Heras Ladera, Diputada IU Madrid, Grupo Parlamentario IU-ICV-CHA: La Izquierda Plural, congreso de los Diputados, España; Caridad García Álvarez, Diputada IU Madrid, Grupo Parlamentario IU-ICV-CHA: La Izquierda Plural, Congreso de los Diputados, España; Alberto Garzón Espinosa, Diputado IU Málaga, Grupo Parlamentario IU-ICV-CHA: La Izquierda Plural. Congreso de los Diputados, España; Chesus Yuste Cabello, Diputado CHA Zaragoza, Grupo Parlamentario IU-ICV-CHA: La Izquierda Plural. Congreso de los Diputados, España; Laia Ortiz Castellví, Diputada ICV Barcelona, Grupo Parlamentario IU-ICV-CHA: La Izquierda Plural. Congreso de los Diputados, España; Enrique Santiago Romero, abogado, jurista experto en derechos humanos y derecho internacional; Gilberto López y Rivas, Profesor-Investigador, Instituto Nacional de Antropología e Historia, México; Paul Ríos, Coordinador de Lokarri, red ciudadana por la paz en el País Vasco.; Aitziber Blanco, Lokarri, red ciudadana por la paz en el País Vasco.; Juan Domingo Sánchez Estop, escritor, Bruselas, Bélgica; René Vázquez Díaz, escritor, Suecia.; Igor Urrutikoetxea, Secretario de Relaciones Internacionales de la Central sindical vasca LAB y miembro del Consejo Presidencial de la Federación Sindical Mundial; Fabio Marcelli, investigador Instituto de Estudios Jurídico Internacionales del Consejo Nacional de Investigación, Director de la Asociación de Abogados Demócratas y miembro del Bureau de la Asociación Internacional; Julie Cánovas, Doctora, jurista experta en derecho internacional, Universidad de Borgoña, Francia; Salvador López Arnal, profesor, escritor, Catalunya, España; Gabriela Morales Gracia, jurista mexicana, experta en derechos humanos; Antonio Salamanca Serrano, escritor, doctor en filosofía y derecho, experto en derechos humanos, España / Ecuador; Mario Amorós, periodista, historiador, escritor, España; Steven Forti, periodista e investigador en Historia Contemporánea, Universitat Autònoma de Barcelona, España; Unai Aranzadi, Director de la agencia informativa Independent Docs, Suecia; Xabi Puerta, escritor y productor, Presidente de la Asociación Cultural Alfonso Sastre; Joaquim Arrufat Ibáñez, diputado de la Candidatura d’Unitat Popular-Alternativa d’Esquerres al Parlament de Catalunya; Carolina del Olmo, Directora de Cultura del Círculo de Bellas Artes, Madrid; Iñaki Markiegi Candina, Presidente Fundación Mundubat; Patricia Rivas Bufala, Periodista, España; Fausto Gianelli, abogado, experto en derecho internacional, Módena, Italia; Amaia Izko, abogada, portavoz de Sortu, País Vasco; José Antonio Gutiérrez D., Analista Político, Latin American Solidarity Centre, Dublín, Irlanda; Adolfo Araiz Flamarique, Abogado, Tafalla, País Vasco, España; Lux Barinagarrementeria Abogado, Donosita, País Vasco; José Mari Esparza, Editorial Txalaparta, Tafalla, País Vasco, España; Iñaki Soto, Director diario Gara, País Vasco; Joseba Álvarez, dirigente político, Portu, País Vasco; Iratxe Urízar, Behatokia, Observatorio Vasco de Derechos Humanos; Jon Iñarritu, Diputado Amaiur, Congreso de los Diputados, España; Iker Urbina, Diputado Amaiur, Congreso de los Diputados, España; Amalur Mendizábal, Senadora Amaiur, Senado de España; José Manuel Mariscal Cifuentes, Senador Izquierda Unida, Senado de España; Urko Aiartza, Senador Amaiur, Senado de España; Francisco Bello, Informativo digital Iniciativa Debate, España; Carlos Alberto Ruiz, jurista, experto en derechos humanos, España; Marina Albiol Guzmán, Diputada de Esquerra Unida en Les Corts Valencianes.; Javier Moya, CEDSALA, Coordinación Valenciana de Solidaridad con Colombia; Bernardino Camilo da Silva - Abogado del Movimiento Sin Tierra – MST, Brasil; Carlos Fazio, catedrático Universidad Autónoma de Méjico - UNAM, Méjico, Grupo Paz con Democracia, México y Red en Defensa de la Humanidad; Lorenzo Loncon, dirigente pueblo Mapuche, Argentina; Elizabeth Deligio, Charity Ryerson, Escuela de las Americas Watch, SOA Watch; Tica Font, Comisión Ética de la Verdad; Valerie Techer, France Amerique Latine; Seguen mais de 140 assinaturas.

TOMADO DE:

1.      http://www.marchapatriotica.org/noticias-2/1290-intelectuales-politicos-y-escritores-respaldan-a-piedad-cordoba-ante-la-corte-constitucional


ACTIVIDADE MINEIRA TRANSNACIONAL FORTEMENTE VINCULADA COM AS VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS NA COLÔMBIA

Hoje se pode afirmar que Colômbia é um país mineiro e petroleiro. As intervenções governamentais de mais de uma década cederam boa parte das terras produtivas do país para a exploração mineira com poucas restrições e mínimas contribuições, na ideia de trazer investidores com benefícios competitivos.
Mas, a grão mineração não é o único tipo que apresenta conflito, os grupos armados paramilitares, e em menor medida as guerrilhas, tem se envolvido com a exploração mineira. No primeiro caso as consequências para as populações têm sedo demolidoras, ao controlar sua fonte de subsistência e elevar e impor controle violento sobre todo o ciclo produtivo.

O mais alarmante é que as instituições colombianas não tem seguido o ritmo de exigências sócias que produz a transformação mineira do país. Fora da conceição (entrega) dos territórios e da expedição de licencias, são poucas as intervenções em matéria de proteção as comunidades, de garantia de direitos dos cidadãos, sobre o direito do capital, de enfrentamento as estruturas narco-paramilitares que controlam a mineração artesanal nas regiões em conflito.

Por isso não é sorprendente que no recente estudo “Minería em Colombia: Fundamentos para superar el modelo extractivista” da Contraloría General de la República, máximo organismo de controle fiscal, se assinale que o Estado colombiano assumiu o modelo extrativista com pouca consideração dos enormes custos sociais e ambientais que implica. Além de renunciar de fato aos recursos que gera a produção mineira,  o Estado não tem a capacidade institucional de enfrentar os retos da enorme maquinaria minero energética que hoje depreda o pais. Ainda assim só o 3% das licencias para mineração que são solicitadas são negadas, e são negadas normalmente às comunidades originárias das regiões (indígenas,  afrodescendentes, camponeses).

Hoje é claríssima a coincidência espacial entre maiores índices de violações de direitos humanos e as áreas de mineração. A guerra contra o povo colombiano tem se acentuado especialmente nestes territórios nos últimos anos. O informe da Contraloria expõe “Aparentemente, alguns atores econômicos tem se aliado com os atores armados irregulares para gerar, dentro das comunidades atos de violência que eliminem ou desloquem, despejando assim o caminho para á implementação de estes projetos produtivos”.

Segundo o documento, quando a mineração a grão escala se desenvolve em condições inadequadas, se converte em uma das principais causas de deslocamento forçado e atenta contra vários direitos: “à vida, à paz, ao trabalho em condições dignas, à livre associação, À integridade física e familiar, à saúde, à alimentação e à soberania alimentar, a um meio ambiente sano”, entre muitos outros.

As cifras são eloquentes: segundo Funtraenergética, em 2011, o 80% das violações aos direitos humanos que ocorreram em Colômbia se apresentaram nos municípios mineiro-petroleiros (o 35% do total nacional); o 87% do deslocamento forçado foi nestes municípios, o 78% dos crimines contra sindicalistas também foi, o 89% de crimines contra indígenas e o 90% contra afrodescendentes. 

As áreas de maior exploração petroleira, como o Cerrejón, Guajira, são as áreas que maiores conflitos apresentam por acesso a serviços básico como água potável. Também são as áreas onde maiores consequências socioambientais enfrentam as comunidades, ante a colusão do governo e o estado colombiano com o grão capital.


A grão discussão nacional ao redor dos diálogos de paz permite hoje o desvelamento da profundidade deste problema. Os movimentos e organizações discutem o modelo de país, o modelo econômico, o modelo extrativista, de face aos efeitos que enfrentam cotidianamente, enquanto o governo insiste na impossibilidade de discutir o modelo econômico. As Bandeiras da justiça social são levantadas hoje nas ruas e nos espaços deliberativos que pretendem exercer soberania frente ao desastre social que enfrenta o país.




SEGUIMOS EM MARCHA PELA SEGUNDA E DEFINITIVA INDEPENDÊNCIA








MARCHA PATRIÓTICA CAPÍTULO BRASIL – RIO DE JANEIRO
REPORTE MENSAL SITUAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS NA COLÔMBIA
MARÇO DE 2013, RIO DE JANEIRO

Reporte especial:

COLÔMBIA FOI MAL QUALIFICADA RESPEITO A VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS PELA ONU


O Escritório da Alta Comissionada de Nações Unidas para os Direitos Humanos apresentou o passado 22 de fevereiro o último informe sobre a situação de Direitos Humanos na Colômbia. O informe apresenta um panorama preocupante: a violação de direitos humanos e ao direito humanitário persiste e se incrementa no país.

Um dos pontos mais criticados pelo informe foi a ampliação do Foro Penal Militar, aprovado recentemente, e que foi fortemente criticado por atores nacionais e internacionais pela possibilidade de ser instrumento de impunidade em violações de direitos humanos por parte do Estado, por exemplo, nos casos das execuções extrajudiciais do exército (Falsos Positivos).

As cifras apresentadas são chocantes e mostram a situação de desastre em matéria de direitos humanos da Colômbia: As desaparições forçadas cresceram, apresentando se 18.638 novos casos segundo o Instituto de Medicina legal colombiano; Os “Falsos Positivos” comprovados chegaram a 3.512 vítimas entre 2002 e 2010, apresentando se ao menos 38 novos casos nos últimos 2 anos; O crescimento da população deslocada interna foi de 1.5 milhões de pessoas nos últimos 3 anos, passando de 4 a 5.5 milhões de pessoas entre 2008 a 2011.

Provavelmente o fato mais grave é a impunidade frente às violações de direitos humanos, sendo de até 98% segundo o informe, e que pode se agravar pelas legislações recentemente aprovadas no congresso do país.
Os direitos econômicos e sociais foram outro ponto salientado: 45% da população colombiana está baixo a linha de pobreza, e Colômbia é o terceiro país com maior desigualdade social depois de Haiti e Angola.
Um dos pontos positivos salientados pelo informe foi o inicio da Mesa de diálogos de paz entre o governo ES as FARC, e exigiram que as duas partes respeitassem o DIH.

Por improvável que possa parecer o governo colombiano a través do Ministro do Interior e de altos mandos militares, avaliou o informe como positivo, difundindo só partes do mesmo, onde aparentemente se reconhece o avanço do país na proteção da população. Além dessas declarações, organismos nacionais e internacionais de DDHH exigiram do Estado colombiano maior atuação para a defensa dos DDHH e especialmente as garantias para o exercício político de defensa no país.

(1)    Foto tomada de http://kaosenlared.net/america-latina/item/48660-violenta-represi%C3%B3n-a-la-protesta-de-campesinos-cafeteros-y-cacaoteros-en-colombia.html

NOTICIAS RELACIONADAS
(1)    Informe da Alta Comissionada das Nações Unidas para os Direitos Humanos sobre a Colômbia: http://nacionesunidas.org.co/blog/2013/02/22/informe-de-la-alta-comisionada-de-las-naciones-unidas-para-los-derechos-humanos-sobre-colombia/
(2)    Governo colombiano considera favorável informe da ONU sobre direitos humanos: http://spanish.news.cn/iberoamerica/2013-02/23/c_132186550.htm

Reporte especial:




RECONHECIDA DEFENSORA DE DIREITOS HUMANOS MORTA EM ESTRANHAS CIRCUNSTÂNCIAS


Foto tomada de http://www.amnesty.org/sites/impact.amnesty.org/files/imagecache/news-highlight/Angelica6_0.JPG

Angelica Bello, defensora dos direitos humanos na Colômbia, foi encontrada morta em estranhas circunstâncias o passado sábado 16 de fevereiro na sua casa, na cidade de Codazzi no departamento de Cesar, no norte do país. Angelica foi encontrada morta com um tiro na boca, e o caso foi declarado por o governo colombiano como um suicídio, a pesar do esteticismo dos seus companheiros de trabalho, da família, e do conjunto de instituições defensoras de direitos humanos que exigiram uma investigação profunda e rápida sobre o caso.

Angelica trabalhava com mulheres vítimas de violência sexual no marco do conflito armado interno do país. Fundou a ONG “Fundación Nacional Defensora de los Derechos Humanos de la Mujer” (FUNDHEFEM), e levou as denuncias a instancias internacionais como a ONU. A última grande atividade de defensa que realizou Angelica, foi ter se reunido, junto a outros defensores de DDHH, com o presidente Juan Manuel Santos, para dialogar sobre a aplicação da “Ley de Víctimas y Restitución de Tierras”, fortemente criticada pelo movimento social.

Alvo de múltiplas ameaças nos últimos anos por conta da sua labor, Angélica contava com um esquema de dois escoltas armados e um carro blindado, obtidas só depois de apresentar denuncias ante a Comissão Interamericana de Direitos Humanos e de uma longa briga com o estado colombiano.

Mais as ameaças contra Angélica já resultaram executadas: no ano 2000 duas de suas filhas foram sequestradas e convertidas em escravas sexuais por paramilitares; e no ano 2009, a própria Angélica foi vítima de estupro por paramilitares como vingança por seu trabalho. Como resultado, Angélica estava o tempo todo com sua escolta.

As constantes ameaças contra Angelica a obrigaram a deslocar se varias vezes dentro do país, e nos últimos meses teriam piorada, fazendo com que a defensora solicita se melhorar o esquema de escolta. Só alguns dias antes da sua morte foi ameaçada e lhe ordenaram sair da cidade em que vivia.

Apesar da difícil situação, seus amigo e companheiros de trabalho salientam o bom humor de Angelica por estar avançando na defensa das mulheres vítimas do conflito, e por encontrarse no momento mais importante do seu trabalho. Por isso resulta pouco provável, segundo as pessoas mais próximas a ela, que fosse suicídio.

Marcelo Pollack, pesquisador de Anistia Internacional, manifestou sobre ela:

“Valientes defensoras de los derechos humanos de todo Colombia trabajan para proteger los derechos de miles de mujeres a las que han tratado poco menos que como trofeos de guerra. Estas defensoras son agredidas, amenazadas y hasta asesinadas sin nadie que las proteja”
“La muerte de Angélica es otro siniestro recordatorio de que a no ser que los abusos contra los derechos humanos se investiguen y se ponga a los responsables de cometerlos a disposición de la justicia, las autoridades colombianas seguirán transmitiendo el mensaje de que está permitido cometer estos abusos” (1)

A comunidade internacional e o movimento social na Colômbia exige uma pesquisa séria e independiente que mostre resultados contundentes, para que as defensoras de direitos humanos possam trabalhar sem ter que ser assassinadas, contando com o apoio do Estado e não sendo suas vítimas. 


NOTICIAS RELACIONADAS
(1)    Corte Constitucional da Colômbia exige a o governo informe detalhado sobre as circunstâncias da morte de Angelica Bello: http://www.elespectador.com/noticias/judicial/articulo-406360-corte-solicito-informacion-detallada-sobre-muerte-de-angelica-be
(2)    ONU lamenta morte de defensora de direitos humanos na Colômbia: http://www.un.org/spanish/News/story.asp?NewsID=25729#.UTZJiFetqM0

NOTICIAS

MARCHA PATRIÓTICA APRESENTA RESUMO DE VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS DESDE 2010

No marco da exigência ao Estado colombiano do direito ao protesto e a participação política, o Movimento social e político Marcha Patriótica apresentou recentemente um resumos sobre as violações de direitos humanos acometidas contra essa organização entre os anos 2010-2012.
Este informe denuncia, e apresenta detalhadamente os fatos, os assinalamentos e a persecução sistemática do Estado colombiano contra a Marcha, a través de ameaças, detenções arbitrárias, e falta de proteção frente ao paramilitarismo que já assassinou militantes do movimento.

A introdução do documento assinala:

Debido al carácter popular y alternativo de nuestra propuesta política, desde el año 2010 hemos sido objeto de una campaña de estigmatización y señalamiento contra nuestro movimiento y las personas que lo representan; así como víctimas de la consumación de acciones ilegales por parte de miembros de la fuerza pública colombiana, como el retiro y decomiso de nuestro material publicitario, el amedrentamiento en el marco del acercamiento para interlocución con autoridades, el lenguaje estigmatizador y el uso de medios de comunicación masivos para difundir mensajes calumniosos, y la amenaza directa por parte de grupos paramilitares a líderes de organizaciones que hacen parte de Marcha Patriótica.

Esta realidad se agudizó a propósito de la constitución de nuestra estructura organizativa y el lanzamiento oficial de nuestra propuesta política en forma de Movimiento Social y Político, realizado los días 21, 22 y 23 de abril de 2012, con la participación de alrededor de 100.000 colombianos de todas las regiones del país. Desde entonces han ido en aumento las acciones ilegales y los pronunciamientos oficiales en medios de comunicación masivos, que afectan de forma directa los derechos fundamentales de quienes participamos de este proceso político, y que son constitutivos de conductas delictivas como calumnia, estigmatización, hostigamientos y amenaza, así como infracción al principio de distinción de la población civil establecido por el DIH. Esta realidad se refleja en los siguientes hechos:”

Exigimos o respeito dos direitos sócias e políticos para a Marcha Patriótica.

Adjuntamos o documento completo.

FORTE REPRESSÃO A PARO DE TRABALHADORES DO CAFÉ

No marco do paro dos trabalhadores do café que se realiza desde o passado 25 de fevereiro, o governo tem reagido com forte repressão contra a população que exige políticas sociais que freiem a situação de pobreza dos “cafeteros” -produtores de café- por conta da diminuição do investimento no setor por parte do governo, da assinatura de tratados de livre comercio e da intermediação dos grandes produtores de café na distribuição de subsídios e benefícios.

A importação bruta de café dimiuiu sensívelmente passando de 17 milhões de toneladas a 7.7 milhões entre 1993 e 2012. O custo de produção para os medianos e pequenos “cafeteros” supera em mais de 5 dólares por kilo. A crises do setor se explica também pelo modelo econômico impulsionado pelo governo, que estimula o crecimento da economia minero-energética sem contar com as consecuqencias socias e ambientais.

Exigimos ao governo o cese da represão violenta do movimento social!
Pela solução da crises do setor “Cafetero”, arriba o paro!

Ampliação:

SEGUIMOS EM MARCHA PELA SEGUNDA E DEFINITIVA INDEPENDÊNCIA






              



No hay comentarios.:

Publicar un comentario